2º Domingo da Páscoa

Festa da Divina Misericórdia

Jo 20,19-31: “Felizes os que não viram e acreditaram”. (01.mai.2011)

19Na tarde do mesmo dia, que era o primeiro da semana, os discípulos tinham fechado as portas do lugar onde se achavam, por medo dos judeus. Jesus veio e pôs-se no meio deles. Disse-lhes ele: A paz esteja convosco! 20Dito isso, mostrou-lhes as mãos e o lado. Os discípulos alegraram-se ao ver o Senhor. 21Disse-lhes outra vez: A paz esteja convosco! Como o Pai me enviou, assim também eu vos envio a vós. 22Depois dessas palavras, soprou sobre eles dizendo-lhes: Recebei o Espírito Santo. 23Àqueles a quem perdoardes os pecados, ser-lhes-ão perdoados; àqueles a quem os retiverdes, ser-lhes-ão retidos. 24Tomé, um dos Doze, chamado Dídimo, não estava com eles quando veio Jesus. 25Os outros discípulos disseram-lhe: Vimos o Senhor. Mas ele replicou-lhes: Se não vir nas suas mãos o sinal dos pregos, e não puser o meu dedo no lugar dos pregos, e não introduzir a minha mão no seu lado, não acreditarei! 26Oito dias depois, estavam os seus discípulos outra vez no mesmo lugar e Tomé com eles. Estando trancadas as portas, veio Jesus, pôs-se no meio deles e disse: A paz esteja convosco! 27Depois disse a Tomé: Introduz aqui o teu dedo, e vê as minhas mãos. Põe a tua mão no meu lado. Não sejas incrédulo, mas homem de fé. 28Respondeu-lhe Tomé: Meu Senhor e meu Deus! 29Disse-lhe Jesus: Creste, porque me viste. Felizes aqueles que crêem sem ter visto! 30Fez Jesus, na presença dos seus discípulos, ainda muitos outros milagres que não estão escritos neste livro. 31Mas estes foram escritos, para que creiais que Jesus é o Cristo, o Filho de Deus, e para que, crendo, tenhais a vida em seu nome.

____

Comentando:

No dia 27 de março, aconteceu na cidade de Volta Redonda, o Encontro dos congregados marianos da Regional Rio de Janeiro, foi bonito, ver o clima de paz, cordialidade dos marianos. Todos, participando, debatendo o tema apresentado: “Formação, Juventude & Fé”. Estavam como os primeiros cristãos, não com medo, mas na certeza que o amor nos unia. Da mesma forma, como os discípulos se alegravam em ver ao Senhor, os marianos, se alegravam em celebrar juntos a Eucaristia.

No Evangelho de hoje, Jesus aparece aos Apóstolos, na tarde do domingo, em que ressuscitou. Apresenta-se, sem a necessidade de abrir as portas, pois possuía o corpo glorioso; mas para desfazer a impressão que era um “fantasma”, ou melhor, que era um espírito puro, mostra aos Apóstolos, suas chagas, para não deixar dúvida quanto à Ressurreição.

Os Apóstolos estavam envergonhados de não terem agido bem, durante a Paixão do Senhor. Alguns prometeram fidelidade e não cumpriram. Mas o Senhor, com as palavras “A Paz esteja convosco”, dissipa aquele ambiente de desconfiança e passa a um ambiente de intimidade, onde Jesus quer transmitir a eles poderes transcendentais.

Jesus aparece aos Apóstolos por três motivos:

  1. Para convencer a eles e nós que Ele Ressuscitou;
  2. Para instruir, pois irá enviá-los para pregar o Evangelho a todos os povos. Esta é a nossa missão, levar a todos a Boa Notícia de que Cristo Ressuscitou;
  3. Para consolar, pois pela Sua Paixão e Morte, os Apóstolos ficaram com a confiança abalada. Então, Jesus os procura, para confortar, reanimar, qual Pai bondoso que alivia os filhos angustiados; ou amigo fiel que consola os amigos tristes. É a Paz e a Alegria que lhes trás. Da mesma forma, hoje, não devemos perder a confiança, não devemos ficar angustiados, devemos nos consolar em Jesus, o Ressuscitado. Pois a solução que não temos, que ninguém tem, só Jesus possui. Não é assim a canção: “Só em ti Jesus”, cantada pelo Pe. Marcelo Rossi.

Só em Ti Jesus,
Quero me derramar…
Como o rio se entrega ao mar
Me derramar de amor.

Só em Ti repousa a minha esperança,
Não vacilarei, nem mesmo na dor
Quero seguir-Te até o fim…
Só por Ti Jesus.

Jesus, com as palavras “Recebei o Espírito Santo. Àqueles a quem perdoardes os pecados, ser-lhes-ão perdoados; àqueles a quem os retiverdes, ser-lhes-ão retidos”, confere aos Apóstolos o poder de perdoar os pecados, poder que exerce no Sacramento da Penitência, que é a expressão mais sublime do amor e da misericórdia de Deus. Podemos ver isto na parábola do Filho Pródigo (Lc 15,11-32), muito bem apresentado no Livro: “Parábola do Pai Misericordioso”, do Pe. Alvaro Barreiro,SJ, onde o Senhor, sempre de braços abertos, espera que voltemos para Ele, arrependidos, para nos perdoar e nos devolver a dignidade.

Ainda no Evangelho de hoje, podemos contemplar a dúvida do Apóstolo Tomé, que leva o Senhor a dar-lhe uma prova especial da realidade do Seu Corpo Ressuscitado. Tomé, na sua resposta faz uma exclamação: um maravilhoso ato de fé na Divindade de Jesus “Meu Senhor e meu Deus!” Uma jaculatória que cada fiel deve repetir, como ato de fé, na presença real de Cristo na Eucaristia.

Tomé necessita da graça de Deus para acreditar; mas, teria sido de maior mérito a sua fé se tivesse aceitado o testemunho dos Apóstolos.

Creio Senhor, mas aumentai a minha fé!