DOUTRINA (1)

O núcleo doutrinal do apocalipse está constituído pela segunda vinda do Senhor – a Parusia – e o estabelecimento definitivo do Seu Reino no fim dos tempos, que inclui diversos conteúdos:

DEUS TODO PODEROSO

Deus é “o Alfa e o Ômega, o Princípio e o Fim[1]. Ensina-se a transcendência e o poder absoluto de Deus. Deus é o princípio, donde todas as criaturas recebem o seu ser, pois pela sua vontade, o que não existia foi criado[2]; também é o fim porque tudo se dirige e se realiza n’Ele.

Deus é “Aquele que é, que era e que há de vir[3], utilizada na literatura judaica para explicar o nome de YahwehEu sou Aquele que sou” revelado a Moisés[4]. Deus é aquele que era no passado, desde toda a eternidade, atua desde a criação. É aquele que há de vir, com sua presença dinâmica e salvadora que não cessará jamais.

O apocalipse ensina que Deusvive pelos séculos dos séculos[5]. Também, chama “Deus vivo”, expressão comum do Antigo Testamento. Compara o Deus vivo e os ídolos, que “são obra da mão do homem: Têm boca e não falam, tem olhos e não vêem[6]. Deus é eterno, imortal, vive desde sempre e para sempre. É o Pantocrátor, o Todo poderoso, com poder omnímodo (ilimitado), ao qual tudo está submetido[7]. Deus é o Senhor da História e nada escapa à Sua providência divina: “Eu serei para ele Deus, e ele será para mim filho[8]. No fim Seu poder criador e o Seu amor infinito levarão Deus a restaurar tudo e a criar um mundo novo[9].

Deus, será apresentado como Juiz Universal, a cujo juízo ninguém poderá escapar[10]. No final dos tempos prevalecerá Seu amor infinito em que fará nova todas as coisas[11]. Não haverá noite, a luz divina brilhará para sempre[12], nem dor, nem lágrimas, pois o mundo velho passou.


[1] Ap 1,8; 22,13.

[2] Ap 4,11.

[3] Ap 1,4.

[4] Ex 3,14.

[5] Ap 4,9-10; Dn 4,31.

[6] Sl 115,4-5.

[7] Ap 1,8; 4,8.

[8] Ap 21,7.

[9] Ap 21,5.

[10] Ap 20,12.

[11] Ap 21,5.

[12] Ap 22,5.