Anotações de Santo Inácio, para melhor compreender os EE (parte 1)

Este resumo das Anotações, está fundamentado no artigo do Pe. Paulo Pedreira de Freitas, SJ (que foi meu orientador nesta viagem fantástica, nos Exercícios Espirituais na Vida Cotidiana) com o título: “Revivendo a caminhada” (à luz das anotações – EE 1 a 20), publicado em Itaici, Revista de Espiritualidade Inaciana, 19 (1995) 31-36.

São 20 as anotações que Santo Inácio preparou para bem fazer os Exercícios Espirituais (EE), umas para quem faz os EE e outras para quem orienta os EE. Neste artigo, apresentaremos as anotações 1 a 10.

De Adão para Cristo: Tirar de si todas as afeições desordenadas, procurar e encontrar a vontade divina, ou seja, da usurpação desastrada de Adão, para a conquista revificante de Cristo (EE,1).

O protagonista da Caminhada: É sempre o Espírito Santo, seguido da pessoa que faz os exercícios e daquela que os dá. Pois não é “o muito saber que sacia e satisfaz a pessoa, mas o sentir e saborear as coisas internamente” (EE, 2).

De corpo e alma na caminhada: O que faz os exercícios se entrega à caminhada inteiramente, com todo seu corpo e com todas suas faculdades. Deve usar o entendimento, refletindo. (EE, 3).

Etapas bem definidas, no ritmo de cada um: “Alguns são mais lentos… mais diligentes, agitados ou provados, que outros. A caminhada completa dos EE, terminará dentro de mais ou menos trinta dias”. Na vida Cotidiana, conforme a minha experiência, teve a duração de dois anos. (EE, 4).

Alguém me espera: Desde o início da caminhada será preciso tomar consciência que se joga tudo. Não há meio termo nem se trata de meias medidas. A caminhada se faz “com grande ânimo e liberalidade para com seu Criador e Senhor” (EE, 5).

Colhe-se fruto do movimento; não se toleram as calmarias: A caminhada dos EE não é tempo de bonança, nem passeio de férias ou turismo. Há muita luta na caminhada. Será preciso segurar firme as rédeas e remar forte. (EE, 6)

O fiel e experimentado companheiro: O que faz os exercícios não está sozinho na caminhada, repleta de sobressaltos. Seu fiel e bondoso acompanhante, com o lastro da experiência de muitas viagens semelhantes, estará sempre ao seu lado. (EE, 7).

Às voltas com furacões e tempestade: A medida que surgem nuvens ameaçadoras o amigo e experimentado acompanhante esclarece ao inexperiente navegante sobre como se comportar com relação aos diversos ventos que se aproximam. Tudo deve ser esclarecido com precisão. O amadorismo e o palpite levariam a um desastre irreparável. Estas orientações servem as anotações EE, 8, 9 e 10. Incluem-se, nestas notas, as quatorze regras da primeira semana dos EE e as oito regras da segunda semana do EE.

Cabe lembrar, que a pedagogia espiritual da Idade Média (anterior à época de Santo Inácio) possuía três fases progressivas: Via Purgativa, Via Iluminativa e Via Unitiva. Santo Inácio, seguindo em parte esta divisão, identifica a Primeira Semana com a Via Purgativa. As semanas seguintes, não as classifica; podemos, porém, aceitar a divisão, segundo a qual a Segunda Semana corresponderia à Via Iluminativa; as Terceiras e Quartas Semanas, à Via Unitiva.

Desta forma os EE apresentam em síntese, ao longo de quatro semanas, o Mistério da História da Salvação, a ação salvífica de Cristo na História:

  1. Princípio e Fundamento: A criação: contemplação sintética do Universo e da História à luz da Santíssima Trindade;
  2. Primeira Semana: Antigo Testamento: espera do Salvador; Advento;
  3. Segunda Semana: Novo Testamento: aparição do Verbo entre nós, desde a Encarnação até a Paixão;
  4. Terceira Semana: Mistério Pascal de Cristo; Paixão e Morte Redentora de Cristo;
  5. Quarta Semana: Ressurreição e Ascensão;
  6. Contemplação para alcançar o Amor: Era atual da história. A nossa realidade.

Para sermos uma família escolhida e capacitada por Deus para a Missão, conforme determina do Documento de Aparecida, precisamos viver uma boa experiência de Encontro com Jesus Cristo, conforme bem viveu a Virgem Maria. E, uma proposta a este encontro são os Exercícios Espirituais de Santo Inácio.