Atos dos Apóstolos 10,24-33

SÃO PEDRO EM CASA DO CENTURIÃO (At 10,24-33)

24-33: “24No outro dia chegaram a Cesaréia. Cornélio os estava esperando, tendo convidado os seus parentes e amigos mais íntimos. 25Quando Pedro estava para entrar, Cornélio saiu a recebê-lo e prostrou-se aos seus pés para adorá-lo. 26Pedro, porém, o ergueu, dizendo: Levanta-te! Também eu sou um homem! 27E, falando com ele, entrou e achou ali muitas pessoas que se tinham reunido e disse: 28Vós sabeis que é proibido a um judeu aproximar-se dum estrangeiro ou ir à sua casa. Todavia, Deus me mostrou que nenhum homem deve ser considerado profano ou impuro. 29Por isso vim sem hesitar, logo que fui chamado. Pergunto, pois, por que motivo me chamastes. 30Disse Cornélio: Faz hoje quatro dias que estava eu a orar em minha casa, à hora nona, quando se pôs diante de mim um homem com vestes resplandecentes, que disse: 31Cornélio, a tua oração foi atendida e Deus se lembrou de tuas esmolas. 32Envia alguém a Jope e manda vir Simão, que tem por sobrenome Pedro. Está hospedado perto do mar em casa do curtidor Simão. 33Por isso mandei chamar-te logo e felicito-te por teres vindo. Agora, pois, eis-nos todos reunidos na presença de Deus para ouvir tudo o que Deus te ordenou de nos dizer.”

24. O zelo de Cornélio move-o a chamar familiares e amigos para que escutem com ele a palavra salvadora de Deus. O grupo reunido por este militar romano representa o paganismo, que sem o saber esperou por Cristo durante séculos. O episódio protagonizado por Cornélio tem importância não só para ele. A conversão do centurião romano significa que os Judeus não são os únicos herdeiros das promessas, e descobre a natureza do Evangelho, que traz um remédio universal para uma necessidade universal.

25-26. É difícil para os pagãos (no caso Cornélio, familiares e amigos) compreender num primeiro momento que Deus se manifesta a eles, e os faça conhecer a Sua vontade e conceda os Seus dons, por meio de homens idênticos a eles. Pensam inicialmente que devem ser seres celestiais ou deuses com figura humana (cf. At 14,11), até que descobrem estar na presença de homens de carne e osso. Homens, são os instrumentos  defeituosos mas imprescindíveis, que Deus quis se apoiar, para levar os Seus desígnios de salvação. Esta atuação Divina, existe desde o Antigo Testamento, chega à sua máxima expressão no Evangelho e se manifesta admiravelmente no sacerdócio cristão.

28. Pedro justifica o seu comportamento, diferente neste caso do modo de proceder dos Judeus estritos, com a afirmação de que atua segundo o desejo de Deus que lhe foi manifestado pouco antes. Para o Evangelho já não existe a distinção entre homens puros e impuros. Todos são iguais diante de Deus, se escutam a Sua palavra com o coração limpo e se convertem dos seus pecados.

33. A graça opera em Cornélio por de aceitar as palavras de Pedro como vinda de Deus. O centurião era homem de boa vontade e consciência reta, que adorava a Deus com o culto que a sua ciência e a sua piedade lhe permitiam. Representa, antes do encontro com Pedro, a figura do homem religioso que busca sinceramente a verdade e está portanto em vias de assegurar o seu destino eterno. As ajudas espirituais recebidas por Cornélio e pelos seus tinham, um alcance maior. Preparam eles, para o ingresso na Igreja.

Referência Bibliográfica:

  • VV.AA. BÍBLIA SAGRADA, Universidade de Navarra, Edições Theologica, Braga, PT, 1990.