HORIZONTE DE PUEBLA (3)

Segue uma descrição resumida da terceira parte do texto, Opções preferenciais: Solicitude e desprendimento como temas de teologia e diálogo na perspectiva de Puebla, fundamentos bíblicos e ênfases do Papa Francisco, da Doutora em Teologia, Maria Teresa de Freitas Cardoso, publicado na Revista Atualidade Teológica nº 62/2019 – Departamento de Teologia da PUC-Rio.

ÊNFASES DO PAPA FRANCISCO E FEIÇÃO DIALOGAL DA TEMÁTICA

A e a práxis cristã podem ser resumidas no amor salvífico de Deus, quando se fala “a partir do coração do Evangelho, onde o que sobressai é a beleza do amor salvífico de Deus manifestado em Jesus Cristo morto e ressuscitado” (Evangelii Gaudium,36). O Papa recorda as palavras de Paulo sobre “a fé que atua pelo amor” (Gl 5,6), de tal modo que “a misericórdia é a maior de todas as virtudes” (Evangelii Gaudium,37).

O Papa Francisco promove a reforma da Igreja, que seja aberta e próxima, em diálogo, solidária com as pessoas, atenta ao mundo e atuante; propõe um discernimento de nosso tempo e que façamos uma crítica à opressão e à exclusão. Propõe aos fiéis amplos círculos de diálogos e a missão de uma Igreja em saída e evangelizadora. Devemosentrar em diálogo com todos” (Laudato Si’,3), pede especial atenção a “pastoral juvenil” (Evangelii Gaudium,105), o que importa é escutar os corações e preparar os caminhos.

Na exortação Gaudete et Exsultate, coloca em lugar central a vivência das bem-aventuranças. Cabe um destaque a proclamação do ano do Jubileu Extraordinário da Misericórdia, que a partir de então, instituiu um Dia Mundial dos Pobres, propostas que correspondem às aspirações de uma teologia sistemático-pastoral a partir do Evangelho, bem como aberta aos diálogos em nossos tempos.

Será importante para a teologia sistemático-pastoral, considerar o nosso tempo sofrido e desesperançado, escutando os clamores das pessoas, em seus mais variados tipos de exclusão. O Papa Francisco, segue o caminho aberto em Medellin, que teve um florescimento em Puebla, mediante as opções preferenciais pelos pobres e pelos jovens. Se mantém evangelicamente firme e criativo nessa tradição e se torna cada vez mais uma das referências espirituais/humanitárias mais importantes de nosso tempo.

A presença da teologia latino-americana se faz presente na teologia do papa Francisco, com grande acento na encíclica Laudato Si’, além de mencionar o método ver-julgar-agir, e a opção preferencial pelos pobres, chama a atenção as culturas dos povos, reconhecendo a diversidade cultural como dado positivo, no sentido de aprofundar a perspectiva do pluralismo e do diálogo inter-religioso em relação a Conferência de Medellin.

A finalidade desses estudos, servem para mostrar a opção preferencial como categoria teológica e aberta ao diálogo, e que se reencontra no Papa Francisco. Puebla, articulou o método ver-julgar-agir, se dedica ao diálogo inclusive com os não crentes. Ao mesmo tempo pauta pela evangelização inspirada no anúncio do Reino e na missão ir ao encontro das tradições e culturas e dialogar.

O tema fundamental no diálogo é o da misericórdia, pois para o Papa Francisco é a proposta principal do Evangelho, pois na Bula Misericordiae Vultus, o mesmo Papa, pontua como a misericórdia é o modo de agir de Deus e diz: que a credibilidade da Igreja bem como o seu desejo é “oferecer misericórdia”.

Na exortação Gaudete et Exsultate, onde o Papa faz um chamado à santidade no mundo atual, mostra que o coração das ponderações está na proposta central do seguimento das bem-aventuranças e destaca o Dia Mundial dos Pobres, onde conclama a todos a escutar o clamor do pobre. Nas mensagens para este dia, que é celebrado no XXXIII Domingo do Tempo Comum, relembremos:

  • 1° Dia Mundial dos Pobres (19/Nov/2017): “Não amemos com palavras, mas com obras” (1Jo 3,18);
  • 2° Dia Mundial dos Pobres (18/Nov/2018): “Este pobre clama e o Senhor o escuta” (Sl 34,7);
  • 3° Dia Mundial dos Pobres (17/Nov/2018): “A esperança dos pobres jamais se frustrará” (Sl 9,19).

CONCLUSÃO

A partir da leitura dos textos, constatamos algumas opções fundamentais do Evangelho do Reino:

  • Anúncio salvífico do amor de Deus;
  • Praxis da solicitude e misericórdia, a cuidar de todos e especialmente dos mais frágeis;
  • Seguimento de Jesus também nas atitudes: humildade, mansidão e desapego.

Junto a opção pelos pobres, fez-se ainda uma opção pela juventude, cujo critério deve sempre levar a uma mensagem do amor divino, que é o próprio Deus agindo com misericórdia. Pois, a fé no amor de Deus, para ser viva, implica na sua práxis. Hoje, o grande clamor a Deus e de apelo aos corações: Como escutar? Como estender as mãos aos outros? Assim, os diálogos deverão ser buscados em novos contextos e entre diferentes culturas.