Imaculado Coração de Maria

Na Sagrada Escritura

Uma devoção, que possui uma história, que tem como fonte a Sagrada Escritura, a Patrística, tanto a grega, quanto a latina e a personalidade de São João Eudes, grande impulsionador desta devoção. Mas, fiquemos no texto, com apenas uns breves pinçados da Sagrada Escritura.

Na Escritura, o vocábulo coração (kardia), em grego:

  • Está na base de toda a relação religioso-moral do homem com Deus;
  • O coração está no centro da vida psicológica, moral e religiosa;
  • É o lugar em que se formam as disposições do homem, boas ou más;
  • Representa a interioridade do homem e a sua intimidade profunda.

No Antigo Testamento (AT):

  • O coração é narrado como dentro de toda a vida espiritual do homem;
  • O coração é princípio da vida, memória, pensamento, vontade, interioridade;
  • Aplicado a Maria, na expressão coração de Maria, adquire forte carga dinâmica, capaz de desenvolver as elevadas energias espirituais, que junto a muitos textos do AT, fazem do coração a sede do encontro com Deus.
    • Ez 11,19: Eu lhes darei um outro coração e porei dentro deles um espírito novo; tirarei de seu peito o coração de pedra e lhes darei um coração de carne, 
    • Jr 3,15: Eu vos darei pastores segundo meu coração, os quais vos guiarão com inteligência e prudência.
    • Is 46,12: Escutai-me, homens de coração duro, vós, que estais longe da justiça!

A devoção ao coração de Maria conta com dois textos-chave no Novo Testamento (NT), que estarão na base de toda a tradição posterior, onde, ao final, acrescentamos um terceiro texto (alma).

  • Lc 2,19: Maria, porém, conservava todas estas recordações, meditando-as em seu coração (Kardia).
  • Lc 2,51: … Sua mãe conservava todas estas recordações em seu coração (kardia).

Parece que o evangelista Lucas quer passar a todos nós, leitores de seu Evangelho, que sua fonte de inspiração é Maria. Mas, outros autores, falam que Lucas está apresentando um gênero apocalíptico nos seus textos, pois, estes se baseavam no que dizia o livro de Daniel no AT: Dn 7,28: “Quanto a mim, Daniel, meus pensamentos muito me perturbaram; a cor de meu rosto se alterou e guardei tudo isto em meu coração” (kardia).

Mas, hoje, os autores modernos baseados no fato de Maria, ter sido colocada no centro da reflexão cristã, nos mistérios da infância de Jesus, se torna importante para a espiritualidade cordimariana, já que o coração de Maria será o berço de toda a meditação cristã, a respeito dos mistérios de Cristo. Assim temos à devoção ao coração de Maria um fundamento escriturístico de valor incomparável.

Meditar sobre o coração de Mariaé prerrogativa do sábio, que conserva a lembrança dos fatos para atualizar o seu conteúdo” (A. Serra). Onde, o termo meditar, se torna uma atividade simbólica, onde reunimos realidades antigas e novas para serem mais compreendidas.

No terceiro texto:

  • Lc 2,35: “…a ti própria, uma espada te traspassará a alma (psyché), para que se revelem os pensamentos de muitos corações”.

É a cena da apresentação no templo, onde captamos com indiscutível profundidade a associação interior de Maria com toda a obra salvífica de seu Filho. Tudo o que se realiza no corpo sofredor (paciente) do Filho, realiza-se na alma e no coração da Mãe.

Os três textos do Evangelho de São Lucas, são elementos essenciais, para que possamos entender, a partir da Escritura, a expressão coração de Maria.

Fonte:

Fiores, Stefano / Meo, Salvatore. Dicionário de Mariologia, verbete: Coração Imaculado, Joaquín María Alonso,cmf (†1981). Ed. Paulus, São Paulo-SP, 1995.