Maria, a crente

Os acontecimentos da vida de Maria, só podem ser compreensíveis à luz da fé, pois ela, precisa discernir o sentido de cada coisa: o anúncio do anjo, sua gravidez, seu relacionamento com José e a sociedade da época. Nada faz sentido, a luz da razão. Mas, da Virgem Maria, nasce o Salvador.

Conforme a narrativa de Lucas, podemos observar as condições precárias deste nascimento: o Menino Deus, nasce fora de casa, por ocasião de um recenseamento que obriga Maria e José a se deslocarem com dificuldade de Nazaré até Belém da Judeia, lugar de origem da estirpe davídica, de que José descendia: “6Enquanto estavam lá, completaram-se os dias da gestação. 7E Maria deu à luz seu filho primogênito; envolveu-o em faixas e o deitou num presépio, porque não havia lugar para eles na hospedaria”. (Lc 2,6-7).

O nascimento se dá, numa extrema pobreza, obrigando Maria a uma prova de fé, pois o que o anjo anunciara não estava se cumprindo, vejamos em Lc 1,32-33: “32Ele será grande e será chamado Filho do Altíssimo. O Senhor Deus lhe dará o trono de Davi, seu pai, 33e ele reinará para sempre na casa de Jacó. E seu reino não terá fim”. Uma contradição, o Menino nasce pobre, se quer tem uma casa própria; recebe homenagem de humildes pastores. Então, em que consiste o “Reino” que o anjo falara? Será que Maria, não se enganou ao interpretar aquelas palavras?

A atitude de Maria, conforme nos propõe o Evangelho de Lucas, mostra que ela considera os acontecimentos com olhos de fé, mas, como é natural, quer compreender o que está escondido nesses mistérios. Ao contemplarmos a cena, podemos ver a aparência de Maria atônita, e agora, o que acontecerá? Maria, silencia e busca na profundidade de seu coração, crer mais fortemente: “Maria, porém, conservava todas estas recordações, meditando-as em seu coração”. (Lc 2,19).

Maria, em seu silêncio, faz com empenho uma tormentosa busca do sentido de todos os acontecimentos, pois está segura de que Deus não pode tê-la enganado, nem pode vir a decepcioná-la.

Maria a crente, nos ensina a crer e a movimentar-nos no âmbito da fé, e buscar no mais profundo de nosso ser, esperança para seguir. Hoje, nestes tempos de pandemia, sejamos fortes e experimentemos em nós o Mistério de Maria: “O Espírito Santo descerá sobre ti e a força do Altíssimo te cobrirá com sua sombra” (Lc 1,35). Que presença, que força podemos ter ao experimentarmos tal mistério. Um Natal, cheio de esperanças!

Referência bibliográfica: Dicionário de Mariologia, verbete: crente, Mercedes Navarro Puerto. Paulus,1995.