Ver

Jo 20,24-29

No Evangelho de hoje, contemplamos o encontro de Jesus com Tomé, que suscita em nossos corações, a necessidade de ver para crer. Mas, atentos a resposta de Jesus: felizes aqueles que não viram e creram! Perguntamo-nos: como reagimos em relação a nossa fé? Diante de momentos de inquietações, que não são poucos, devemos dizer, Senhor eu creio, mas aumentai a nossa fé.

São Gregório Magno, comenta este encontro, que aconteceu por pura casualidade, pois, foi necessário que Tomé estivesse ausente. Então, ao voltar para junto de seus companheiros, ouvisse o relato da aparição e que ao ouvir duvidasse, duvidando palpasse e palpando cresse. Não foi por casualidade, mas por disposição de Deus, que atua de modo admirável para que tocando o discípulo duvidador as feridas da carne de seu Mestre, sarasse em nós as feridas da incredulidade. Assim o discípulo, duvidando e palpando, converteu-se em testemunho da verdadeira ressurreição (In Evangelia homiliae,26,7).

A resposta de Tomé não é uma simples exclamação, é uma afirmação: uma maravilhoso ato de fé: Meu Senhor e meu Deus, jaculatória repetida com frequência, diante da presença real de Jesus Cristo na Eucaristia.

Na Carta aos Hebreus 11,1 nos diz: “A fé é a realidade dos bens esperados, a prova das coisas que não se veem“, torna evidente que a fé versa sobre as coisas que não se vêem, pois as que se vêem já não são objeto da fé, mas da experiência. Então, porque é dito a Tomé quando viu e tocou: Porque viste acreditaste? Porque uma coisa é o que se viu e outra o que se creu. É certo que o homem mortal não possa ver a divindade: portanto, Tomé viu Jesus, o Homem e reconheceu-o como Deus, dizendo: Meu Senhor e meu Deus (São Gregório Magno – In Evangelia homiliae,27,8).

Tomé, como todos os homens, necessitou da graça de Deus para crer, mas, além disso, recebeu uma prova singular; teria sido mais meritória a sua fé se tivesse aceitado o testemunho dos Apóstolos. As verdades reveladas transmitem-se normalmente pela palavra, pelo testemunho de outros homens que enviados por Cristo e assistidos pelo Espírito Santo, pregam o depósito da fé (cf. Mc 16,15-16): 15E disse-lhes: “Ide pelo mundo inteiro e proclamai o Evangelho a toda criatura! 16Quem crer e for batizado será salvo. Quem não crer será condenado

A fé vem pela pregação e a pregação pela palavra de Cristo (Rm 10,17). A pregação do Evangelho tem as garantias suficientes de credibilidade, e ao aceitarmos: “oferecemos a Deus a homenagem total da sua inteligência e da sua vontade prestando voluntário assentimento à Sua revelação” (Dei Verbum,5).

Alegra-nos muito: Bem-aventurados os que sem ter visto creram. Sentença na qual, sem dúvida, estamos assinalados nós, que confessamos com a alma o que não vimos na carne. Vivamos de acordo com a fé; porque só crê de verdade aquele que pratica  o que se crê (São Gregório Magno – In Evangelia homiliae,26,9).