Amar

Lc 6,27-38

No Evangelho de hoje, somos provocados ao amor ao próximo, não só com palavras de perdão, mas com gestos e atitudes de reconciliação. Jesus nos diz: Se fazeis o bem somente aos que vos fazem o bem, que recompensa tereis? Não devemos ser juízes de ninguém. Será que conseguimos perdoar? – Não devemos nos armar, mas rezar por um mundo mais justo, sem a lógica do interesse, onde com amor superamos ao ódio, e, nos ambientes de ofensas, sejamos sinal de transformação.

Sede misericordiosos como também o vosso Pai é misericordioso”. Se assim fizeres, amarás os teus inimigos, não julgarás mal o teu próximo, não condenarás ninguém, rezarás por todos, perdoarás a todos. Estas atitudes são essenciais para a vida cristã. São o caminho do Céu.

No mundo atual, esmorecem os sentimentos de pertença à mesma humanidade; e o sonho de construirmos juntos a justiça e a paz parece uma utopia doutros tempos. Vemos como reina uma indiferença acomodada, fria e globalizada, filha duma profunda desilusão que se esconde por detrás desta ilusão enganadora: considerar que podemos ser onipotentes e esquecer que nos encontramos todos no mesmo barco”. (Fratelli tutti n.30).