Regras de Discernimento dos Espíritos (2)

4ª Regra – A Desolação Espiritual

Chamo desolação tudo o que é contrário na 3ª Regra, como escuridão interna, perturbação, moção para coisas baixas e terrenas, inquietude, com diversas agitações e tentações, movendo à desconfiança, sem esperança, sem amor, achando-se a pessoa toda preguiçosa, tíbia, triste e como que separada de seu Criador e Senhor. Pois, assim como a consolação é contrária à desolação, do mesmo modo os pensamentos que saem da consolação são contrários aos pensamentos que saem da desolação.

  • A desolação espiritual é o estado oposto ao da consolação. Significa, pois, um regresso contínuo do espírito, um empobrecimento espiritual, um decréscimo. Desolação é crise, é torpor, é declínio, é esvaziamento interno e progressivo, é letargia espiritual, que afasta o exercitante cada vez mais de Deus, e o encaminha para um estado de oposição, de revolta contra Deus, fazendo-o opor crescente resistência ao Espírito Santo. Também a desolação se desenvolve no plano espiritual. Em si, não pode ser percebida. Podemos constatar sua presença por seus efeitos secundários e, às vezes, pelos sintomas emocionais.
  • A pessoa tíbia é aquela que se encontra num estado espiritual de esfriamento. Comete muitas negligências e não se importa em ser medíocre em sua vida espiritual. Não se mostra suficiente esforço pessoal.
  • É muito importante dar atenção aos pensamentos que ocorrem num e noutro estado.
Fonte: Escritos de Santo Inácio – Exercícios Espirituais, comentários: Pe. Géza Kövecses,SJ – CEI – Centro de Espiritualidade Inaciana – ITAICI, ago/2000.