Qual a resposta do Discípulo?

No calvário, diante da cruz, a resposta do discípulo será o centro para entendimento do que vem a ser a Consagração total a Jesus.

E, como respondeu o discípulo amado diante do Mestre morrendo na Cruz? – O Evangelista assim escreve: “A partir daquela hora, o discípulo a acolheu no que era seu” (Jo 19,27b). No texto original se diz: “entre as coisas próprias” e numa tradução contemporânea poderíamos dizer: “recebeu-a na sua intimidade”.

Um texto simples, mas com forte significado: Esta foi a última vontade de Jesus terreno antes de ir para o Pai, conforme narrado no Evangelho de João. Bem como, nos diz São João Paulo II, em suas catequeses marianas: “Confiando-nos filialmente a Maria, o cristão, como o apóstolo João, acolheentre as coisas próprias’ a Mãe de Cristo e a introduz em todo o espaço da própria vida interior, isto é, no seu ‘eu’ humano e cristão: ‘a tomou consigo!’ […] É a comunhão de vida que se estabelece entre ambos graças a Cristo”.

O acolhimento de Maria na intimidade do discípulo amado, é o que hoje chamamos de consagração, ou seja, ser consagrado é acolher Maria em sua intimidade:

  • Acolher “entre as coisas próprias”: Significa uma pertença ou propriedade de caráter moral religioso espiritual muito pessoal.
  • Acolher “recebê-la num espaço interior”: Esta união de fé com Cristo cria o ambiente vital para acolher a herança do Mestre que são o Espírito e Sua Mãe que é recebida não por escolha do discípulo, mas por integridade da fé.
  • Acolher, será “fazer de nós uma casa espiritual”: São João Paulo II no seu magistério encoraja-nos a ACOLHER MARIA na própria vida, no nosso coração, na nossa vida, na casa da nossa vida, fé, afetos e tarefas, na casa do sacerdócio sacramental, na casa interior do nosso sacerdócio batismal.
Fontes: A Virgem Maria, 58 Catequeses do Papa São João Paulo II sobre Nossa Senhora + Locus Mariologicus (www.locusmariologicus.org), “Curso Consagração a Jesus pelas mãos de Maria”