Participar

Mt 12,46-50

No Evangelho de hoje, voltamos aos parentes de Jesus, onde somos convidados a participar da Sua família: Pois, todo aquele que faz a vontade de meu Pai, que está nos céus, esse é meu irmão, minha irmã, minha mãe. Será que vivemos esta proposta de propagar o bem, de fazer a Vontade do Pai? Façamos de nossas comunidades: – nossas famílias, um lugar de encontro, onde prevaleça a fraternidade e o acolhimento. Que tenhamos esta coragem, neste mundo tão disperso, de fazer valer a Tua Vontade.

É evidente, o amor de Jesus por sua mãe, Santa Maria, e por São José. Nosso Senhor, aproveita este episódio para nos ensinar que no seu Reino os direitos de sangue não têm primazia. O que faz a vontade de seu Pai é considerado por Jesus como da sua própria família. Por isso, mesmo sacrificando os sentimentos naturais da família, deverá abandoná-la quando lhe é pedido o cumprimento da missão que o Pai lhe confiou, cf. Lc 2,49: “Por que me procuráveis? Não sabíeis que devo estar naquilo que é de meu Pai?”

Podemos dizer, que Maria é mais amada por Jesus por causa dos laços criados entre ambos pela “graça” do que em virtude da geração natural, que fez d’Ela sua Mãe segundo a carne; a maternidade divina é fonte de todas as outras prerrogativas da Santíssima Virgem; mas esta mesma maternidade é, por sua vez, a primeira e a maior das graças outorgadas a Maria.